CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
19/01/2018 00h00
VIAJANDO NA POESIA – Praia Comprida

 


Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


 

PRAIA COMPRIDA

Praia Comprida que um dia o mar te beijou

Debruando tuas casas, teu comercio

Hoje distante estás do mar

E ele nostálgico a te mirar

De um tempo que a ti servia de escoadouro

Dos bens produzidos por ti e arredores

Através de tua rua central se partia

Para o centro de São José, Palhoça

Forquilhas, Roçado e a Capital

Mantinhas um comércio viçoso

Casa de comercio Petry, armazém Pedro Bunn

Um café Filomeno, que quando por lá passavam

Os transeuntes sentiam o aroma

Que do interior exalavam de suas moendas

Este edifício mais tarde tornou-se

Sede do primeiro clube para idosos da região

O Clube Maré Alta do tio Cachopa

Hoje com novas instalações

Divertem mocinhas, mocinhos

Senhorias e senhorios

Sem preconceitos de idade

Mais adiante foi sede do Grupo Escoteiro

São José da Terra Firme

Fundado pelo saudoso Pe. Edgar

A igrejinha de Santa Filomena e Nossa Senhora de Fátima

Permanece como patrimônio histórico

Está a esperar seus fiéis convictos

Para uma novena rezar, uma missa participar

Antiga sede do clube Primeiro de Junho

E tantos casarios que um dia existiu

Não só de passado vive o homem

Hoje crescestes, evoluístes

Em ti reside um Hospital que cura muitas pessoas

Há um bombeiro que salva pessoas

Há uma escola que prepara pessoas

Para um futuro promissor

Hoje tua avenida só tem um sentido de ida

Como a lembrar de que devemos ir adiante

Ao centro, onde tudo começou

Resgatar o passado, ir em frente

Seguir adiante contando nossa história

Retornando por uma via a beiramar

Iniciando uma nova etapa desta caminhada

Escrevendo uma nova história

Sem nunca omitir e desprezar teu rico passado

Praia Comprida de São José da Terra Firme


Coluna escrita as Sextas-feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 19/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
17/01/2018 09h39
CABEÇA PENSANTE - Estou na moda ou tenho estilo?

 


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


 

Hoje, iniciando a nossa viagem nesse universo tão mágico e evolutivo, farei apenas uma breve introdução. Costuma ser um dos grandes dilemas, quando se fala no assunto, a preocupação com a roupa que devo usar. No entanto, eu percebo que inconscientemente a grande preocupação é: eu realmente serei aceito?

Neste contexto, vamos abordar daqui em diante, nos nossos próximos encontros, o assunto Moda, Estilo e Comportamento. Basicamente, é a Moda que se cria, Estilo que se constrói, Comportamento que se tem.

Moda significa uma maneira ou costume de um determinado grupo ou pessoa, em um determinado momento. Palavra usada para designar uma forma de se vestir e está presente em várias expressões, como, “fora de moda" ou "passar de moda" que indica algo que já foi popular, e que no presente momento já não é mais.

Posto desta forma, a expressão, "estar na moda", indica uma pessoa que tem um  estilo atual de se vestir, ou descreve um hábito, costume, admirado e copiado por muitas pessoas. Podemos dizer que, a moda regula as escolhas e as preferências das pessoas, ou seja, devido a uma espécie de pressão social, indica-lhes aquilo que devem consumir, usar ou fazer. A moda torna-se um hábito repetitivo que identifica uma pessoa ou um grupo de indivíduos.

 

 

 

 

Pode se refletir nas roupas, penteados, calçados, adornos e outros. Como também, na maneira de estar e em comportamentos. Ouvir um determinado estilo de música, frequentar e conhecer restaurantes e lojas, viajar em férias para determinados lugares, enfim.

E um fator que sempre chama atenção, são pessoas vestidas com as melhores roupas de costureiros conhecidos, famosos, e assim mesmo não parecerem bonitas e elegantes. Falta alguma coisa, não é? Lhes digo, falta estilo, que é diferente de moda e vem de dentro para fora.  É combinar a roupa com a personalidade. Uma dica: crie o seu! E ainda, o que nos torna especiais quando nos vestimos, é manter-se fiel ao nosso próprio estilo. Se assumir! Outra dica é fazer dos seus pontos fracos, seus maiores aliados.

Estaremos sempre bem, se assumirmos a nossa personalidade! Equilibrar as nossas preferências, com o nosso modo de viver, por exemplo.
 Não se corrompa! Lembre-se: vestir é simplesmente, se expressar!

Contudo, é preciso tempo e autoconhecimento para criar o seu estilo. Não somos obrigados a adotar um estilo marcante. Não! Podemos ser, por exemplo, uma pessoa de personalidade suave que se adapta ao momento, moda, ou tendência, com facilidade.

Mas, teremos outras oportunidades para abordar de forma mais ampla e detalhada esse universo tão mágico, inspirador, colorido, versátil e evolutivo, que está em constante transformação, adaptação, e que de certa forma nos inspira e influencia.

 


 

 

 

 

“A moda passa, o estilo fica. Pense nisso. ”

(Rosiane Favero)


Coluna escrita Segundas e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 17/01/2018 às 09h39
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/01/2018 00h00
CARTAS NO TEMPO - A Cidade


E-mail: oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

Em meio a cidade

É inevitável te buscar em meio a cidade, já que eu não posso te encontrar. Caso seja em outra cidade, é a alegria de poder escrever, a docilidade dentro de mim a florescer como uma imagem sua. Parto das primícias de uma saudade poética a invadir o meu coração, e nada vem a ser tão importante para minha alma, do que tentar convence-la de não explodir de esperança. A cidade está sempre com pessoas correndo e nisso é completamente difícil de conter, contudo, vejo invadir meus olhos o mistério de outra cidade em que eu tive o prazer de viver. E vivo sem ter permissão de sonhar! E por que? Porquê é tão distante a realidade da própria fantasia, no qual fica inexpressivo para um poeta a lógica do “real”.

 

Vestígios de lembranças

E vivendo assim,

Venho a andar sobre

A ilusão criada pela mente.

Esta mente em que tudo

Constroem-se a beira do

Pequeno paraíso em

Que só se pode entrar

Atravessando uma ponte.

Quando foi para passar...

A tal ponte ameaça cair

Nas águas torrenciais

De uma vida simplória.

Dias e noites são complexas,

E no fim, percebo que a cidade

Em pensamento pode até voltar

A me procurar num saudosismo,

Mas a quem ela abriga

Não será igual do que fora

Antigamente. O tempo não

Retorna para trás. Deixou

Vestígios de lembranças?

Pronto! Agora acabou!

E minha gentileza em poder

Fazer bem mais do que o esperado,

Isso vem a me despertar sem razão.

Entretanto, a flor simbólica começa

Enfim, a se materializar em meu templo.

 

Quem sabe um dia

Quem sabe um dia em possa ir visitar o local em que eu permaneci por algum tempo. E reviver, ainda que em minha memória, as atividades exercidas, as fraquezas de um humano, as alegrias de um trabalho e tantas amizades dos quais se perderam no caminho. Ao longo de uma trajetória histórica, o que fica? Fica o sentimento de que tudo poderia ser diferente nesta cidade de nome, mas não divulgado por mim nestas palavras ainda.

 

Que a beleza da poesia nos faça ter luz no amanhã.


Coluna escrita Terças e Domingos


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 16/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/01/2018 08h51
CABEÇA PENSANTE - É preciso avançar!

 


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


 

É preciso avançar!

Um processo de mudança bem-sucedido não ocorre naturalmente. É preciso vontade, comprometimento, desprendimento, organização. Como também, do resultado de ações conjuntas, com o propósito de inspirar as pessoas para que mudanças possam ser colocadas em prática, e como consequência alcançar um nível de excelência e qualidade. Quando se fala de assuntos que passam pela área da política, talvez você já tenha percebido que uma grande parte das opiniões, é a de que o ato político é uma manifestação genuinamente institucional. Colocado de outra forma, acredita-se que o ato político só pode acontecer dentro das mediações das câmaras de vereadores, deputados, senadores; e que apenas os políticos eleitos podem atuar politicamente. Ocorre que, a política está muito mais presente na nossa vida diária, do que se imagina. Assim sendo, o ato político não está limitado à instituição apenas. Você conseguiria descrever o que é um ato político? Bem, antes de mais nada eu lhe digo que, qualquer um pode praticá-lo.  Em outras palavras, qualquer tipo de ação que busque intermediar um conflito ou buscar o poder em um determinado meio (de forma não agressiva), pode ser considerada como ação política. Viu só? Isto dito, vale dizer que a busca pelo poder, normalmente, embasa o ato político. Uma vez que, o embates no contexto daa política costumam estar relacionados à disputa pelo poder de ação em nome de uma vontade de indivíduos e grupos distintos. Assim, nem sempre as ações ou políticas adotadas pelas instituições de um Estado, como por exemplo, os partidos políticos ou os demais organismos legislativos, terão como propósito, favorecer todas as partes da sociedade de forma igualitária. Na verdade, essa seria uma tarefa impossível diante das inúmeras diferenças de interesses entre os vários grupos que compõem o cenário político. Tendo em vista esses diferentes grupos, é primordial enfatizar que os conflitos de interesses podem manifestar-se de forma distinta dos habituais, instituídas pelo Estado. Ou seja, em forma de grupos organizados que buscam ver representados seus interesses no meio institucional.  Neste contexto, uma vez que, temos grupos que nos representam, poderíamos nos perguntar sobre o motivo afinal, de tanta morosidade ao levar adiante as resoluções que nós precisamos e que são tão urgentes para o nosso país! Reformas e ajustes ainda não aconteceram, e estamos nessa dependência. Um país mais forte, que possa se desenvolver de forma a gerar resultados mais positivos e consistentes em termos de crescimento e desenvolvimento, é o que queremos. Isto dito, as reformas e ajustes são essenciais.

 

 

Necessitamos de mais serviços, mais vontade política, e menos disputa pelo poder. E para que isso aconteça, temos que ter políticas mais claras e eficientes por parte de indivíduos ou grupos. Esperança sim, mas, tendo em mente a nossa parte que é também, a de fiscalizar e eleger bem, pensando no todo. Avança Brasil!


Coluna escrita nas Segundas e Quartas


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 15/01/2018 às 08h51
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/01/2018 00h00
PALAVRAS & SENTIMENTOS: Um novo ano, um novo recomeço

 


Eloah Westphalen Naschenweng - eloahwn@hotmail.com


 

Deixamo-nos levar pelo otimismo reinante que paira na alma esperançosa de todos que apostam no recomeço.

 

É o sentimento balsâmico que deslumbra, alivia a alma, empurra as tristezas, amarra e alimenta os sonhos.

 

É como se a marca indelével do 1º dia do ano viesse carregada de magia e com a certeza envolvente que, inesperadamente, no espaço de um instante, tudo se transformasse.

 

É a contingência que nos faz pegar carona neste tempo que vem até nós generosamente, com a promessa de novas oportunidades, um novo ano, novos dias, novas auroras, e a sensação maravilhosa do reinicio da caminhada.

 

É como uma nova luz, um movimento desdobrado, tal qual o sopro da brisa nos dias quentes, o borrifo das marés que aportam nas praias gorjeadas pela canção dos pássaros e o gosto de sereno nas noites calmas.

 

É como se viajássemos com os pés no chão, o coração nas estrelas e, de luz tecida a alma entusiasmada reflorescesse outra vez.

É neste renovar constante que se embala e se afaga nossos sonhos e a vida se firma e dá brilho a nossa, sempre e nova caminhada.

 

Feliz 2018 a todos, e que esta viagem que se reinicia venha revestida de momentos inesquecíveis e muitas felicidades.

 

Boa Sorte!


Coluna escrita quinzenalmente (Sábados).


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 13/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 6 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [«anterior] [próxima»]