CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Diàrio Recôndito e Poesia
O Jornal das Palavras - Fundado em 10/10/2017.
Meu Diário
12/01/2018 00h00
VIAJANDO NA POESIA – Aos amigos

 


Por Valmir Vilmar de Sousa - vevesousa1958@gmail.com


 

AOS AMIGOS

 

Aos amigos agradeço a companhia

A oportunidade de estarmos juntos

Pois é edificante

Termos amigos

Para compartilhar

Nossos momentos de prazer

De solidariedade

De fraternidade

Amigos de ontem

Amigos de hoje

Amigos de amanhã

Bênçãos recebidas

Traduzidas em amor

Amor fraternal

Amor filial

Ter amor é fundamental

Primordial

Sensacional

É natural

É real

É fenomenal

Ter amigos


Coluna escrita as Sextas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 12/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
10/01/2018 00h00
CARTAS NO TEMPO: O segredo das águas e das sereias


E-mail: oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

O que se compreende por...?

Não sei o que se compreende por águas, nem por musas, mais a relação com a inspiração é o encantamento dos vastos momentos em devaneios. Hoje a chuva cai e não cessar para observar o sol surgindo, contudo, não dá para um poeta desprezar as águas a encharcar o espírito de tal forma, a deixar sua mente a vagar por tanta imaginação ou pode até ser verdadeira as palavras a serem descritas durante o processo de viajem poética. O fato é que mitologicamente, vemos a importância das musas gregas. O mistério das águas me leva a viver a experiência da possibilidade de ver e ouvir o canto e a beleza das SEREIAS. Já não posso mencionar o nome da dona das caldas ternas. Afinal, o poema é que vai instruir nossas criatividades a de alguma forma, dá sentido aos versos que escrevi...

 

 

O mistério das águas

O tempo não chega audacioso,

E suas águas descem na pureza

De uma noiva em núpcias.

É o céu que desceu suas escadas

Para fazer o amor acalmar a humanidade.

Banho-me de contemplação!

Enquanto estende minhas mãos

A fim de tocar na fonte de minha inspiração.

Percebo a necessidade de se purificar

Na poesia da musa das cristalinas almas.

Almas tem musa? Almas são cristalinas?

Posso sentir meu cerne se engraçando

Por uma linda donzela existente

No mundo-poético, e confesso que,

Sim, a essência da ânima são oceanos,

Mares, lagos, rios e cacheiras dentro de si.

Em minha loucura literária,

Vejo-me tentando imaginar

Meus pés dando passos largos

Ao tão sublime do que é SAGRADO.

Pego-me pensando na beleza

De ser conduzido pelas águas

A subir a escadaria dourada

E templário dos jardins do Templo.

Quando me pergunto: Quem és, oh doce mulher?

Ouço de seus lábios um canto lírico,

E suas pernas a darem lugar a barbatanas.

Seus cabelos loiros vêm a se confundirem

Com o próprio sol a iluminar os dias.

Ela mergulha e me oferece de beber.

Esqueço de mim mesmo,

Retorno para não me prender

Na musicalidade de suas nadadeiras,

Nem deixar com que meu coração

Venha a mencionar seu nome.

 

Leitores e Leitoras da minha alma! Que esta poesia possa os levar a arte de poetizar.


Coluna escrita nas Terças e Quartas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 10/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
09/01/2018 00h00
CARTA NO TEMPO: Tarde de Silêncio

 


Por Ricardo Oliveira - oliveirapoeta.oliveira@gmail.com


 

A tarde do silêncio

Numa tarde de silêncio, o vento vem tocar meu rosto, e a poesia me invadiu por inteiro como se ela quisesse me dizer algo. Sua voz era tão bela, que não dava vontade de sair do lugar em que os minutos pareceram horas e sem ter compromisso nenhum de partir. Bastava somente fechar os olhos para sentir a imagem de teu sorriso e a melodia da harpa. Como posso viver sem ter esperança em um dia poder transformar-te, oh doce poema! Em uma alma vivente? E será que não és em meu interior? Estabeleço a relação espiritualizada com os elementos que não posso ver no vento, e é neste instante o inicio da nossa bela forma de se amar.

 

Amando a poesia numa tarde

Amo-te poesia de minha vida!

Que no silêncio de uma tarde fostes

Para mim um sinal de luz e uma

Razão para ter alegrias em minutos.

Teus versos incorporam de tal forma,

Que o vento a soprar em meu rosto

Faz de tua essência as vésperas

De uma noite em que vens em meu leito.

Como uma incontrolável mistura de palavras

Com a musicalidade dos sonhos em que nos

Traz o tempo como sendo infinito.

Quando termina o momento,

Penso em como te tocar

Ou em como poderia te escrever

Em linhas poéticas chamadas de versos.

E não encontrei nada além do que uma voz longe...

Um vago respirar de mim mesmo em um deserto.

Porém, confesso que minhas inspirações

Tiveram seu rumo as sete e cinquenta

De uma noite bela e eterna para nós dois.

Quem és tu afinal, linda menina?

Já não importa mais a resposta,

Pois meus questionamentos

São uns simples detalhes de quem

Anseia em estar sempre conectado

Ao seu mundo e ao corpo,

Embora não tivesse corpo,

Contudo, a certeza é que tens elementos tão meus,

Que sou incapaz de ter ousadia de tentar descrever.

O ar é um som minucioso e contemplativo!

Isso para dizer o quanto ele nos permeia,

Sendo a nossa própria alma enlouquecida.

 

Caros leitores e leitoras! Que tenhamos um ótimo 2018!


Coluna escrita nas Terças e Quartas.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 09/01/2018 às 00h00
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/01/2018 08h58
CABEÇA PENSANTE - Em busca das vitórias!

 


Rosiane Favero - rosifavero@live.com


 

Não podemos voltar atrás e mudar o que já aconteceu; no entanto, sempre há uma oportunidade de iniciar um novo projeto de vida. Seja pessoal ou profissional.

Se fizemos o nosso melhor, mas, percebemos que a situação não vai mudar por questões alheias a nossa vontade, que a solução não depende unicamente da nossa mobilização, vamos em frente tendo o entendimento de que este é o momento de assumir novos desafios. 2018 aí!

Um NOVO ano e outra etapa de nossas vidas começa a se desenhar. Temos então, mais uma oportunidade para amar, sonhar, projetar, arriscar, investir, e finalmente construir! Depende obviamente de nossas escolhas e está em nossas mãos.

Por outro lado, se seguirmos fazendo as mesmas coisas, fatalmente colheremos os mesmos resultados. E se ainda, nos acomodarmos diante das adversidades sem correr riscos, perderemos a chance de aprendizado, novas descobertas, crescimento, aperfeiçoamento, sucesso.

Já se perguntou se você é realmente um empreendedor? O que o motiva é a necessidade, oportunidade ou ambos?

Bem, somente para elucidar, poderíamos dizer que no Brasil ou em qualquer outro país, o empreendedorismo advindo de uma oportunidade, seria o melhor, teria mais chance de sucesso e um impacto mais positivo sobre o crescimento econômico. Por exemplo, independente da motivação, os países que valorizam e capacitam os empreendedores (por necessidade ou oportunidade) investem na geração de empresas mais eficientes e produtivas. Mesmo os empreendedores por necessidade, podem gerar bons resultados para os seus negócios e transformar seus empreendimentos em oportunidade de novos ganhos. Já é possível notar um movimento nesse sentido, e eu quero acreditar que poderemos ver num futuro não tão distante (tenho esperança), um país que valoriza e apoia com força total, o empreender para crescer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desafie-se, busque a sua realização sem medo. Não espere, faça! A sua colheita acontecerá.

Vamos assumir a nossa parcela de responsabilidade e compromisso nesse processo de construção. Concentrar na atitude, ação, e solução para as questões ou situações a resolver (necessidades, dificuldades, urgências).

Apesar de já termos (ainda que tímido) um movimento positivo, muito precisa ser feito para que realmente sejamos um país mais forte, próspero, com um crescimento e desenvolvimento mais pujante e dinâmico. Precisamos a meu ver, de uma agenda de serviços e não só política, por parte dos nossos governos; e ainda, pensar verdadeiramente nas pessoas, suas necessidades e urgências. Poderia citar outros exemplos sobre os quais precisamos analisar e nos comprometer, para que haja a mudança. Isto dito, vamos nos concentrar nas nossas responsabilidades como ser humano, cidadão, eleitor. Sejamos inteiros, verdadeiros, comprometidos. Lembrar das oportunidades e usá-las da melhor forma.

Portanto, se você identificou uma necessidade de mudança na sua vida, no seu país, saiba que somente VOCÊ pode fazer acontecer. Vivemos em um mundo que está em constante transformação, onde a nossa única certeza é a mudança. Analise a situação ou questão com sabedoria, discernimento, serenidade, amor, coragem e compromisso. É preciso que façamos isso. Caso contrário, não construiremos uma história diferente, e muito menos, uma história de sucesso. Seja para nós mesmos ou nosso país. Portanto, vamos “agarrar” esse novo começo e trabalhar na construção daquilo que realmente queremos ser, ver, e ter.

Sejamos nós a mudança.

Eu desejo que o NOVO ano seja de fato diferente, próspero e muito feliz!!


Coluna escrita as Segundas-Feiras.


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 08/01/2018 às 08h58
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/12/2017 00h00
PALAVRAS & SENTIMENTOS - Palavras & Sentimentos

 


Eloah Westphalen Naschenweng - eloahwn@hotmail.com


 

“ Com a vida aprendi que as palavras

São presentes e infinitas”

 

Em cada palavra, em cada frase poética construída, seja  nas inquietações,  no encanto, no desencanto, no amor, no desamor, na sede e na fome da alma existe um pouco de mim, um pouco de você e um pouco de todos nós.

É este tremor que pulsa no coração, estica a ternura e coloca a beleza no sopro da vida.

Na medida destemida dos sentimentos recolhemos o rastilho dos afetos permeados no olhar da saudade  e das memórias, para trazer para bem perto a eternidade do tempo.

Trazemos para as palavras os sons, as canções  e a trilha sonora, lírica e densa do encanto, na tentativa de compreender os quietos movimentos da vida.

Como quimeras que semeiam visões do paraíso, matizes de sonhos no palco do universo pessoal, sopramos as chamas que tendem a se apagar na densa sombra que permeia o frágil coração.

Na correnteza que nos leva, somos água, somos pedra, areia, somos voz, somos música, somos feitos de amor, afeto  e poesia - somos célula do universo.

Cruzamos o nosso mundo de palavras tocáveis  e afetos  invisíveis, para conversar com a alma  e desenhar nas letras a sóbria ternura que a sorrir nos leva neste  passeio  etéreo,  nos alimenta  a segurar o tempo e os sentimentos que sobrevivem no silêncio.


Coluna escrita quinzenalmente (Sábados).


Publicado por Diário Recôndito e Poesia em 16/12/2017 às 00h00
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 7 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [«anterior] [próxima»]